dimanche 26 février 2012

Não quero que vás, quero que me fiques a ler devagarinho e que fiques a aquecer o nosso engenho. Quero que pares no tempo e que fiques durante instantes a olhar para mim, com uns olhos brilhantes como se estivesses a observar tal coisa que nunca antes tivesses visto, algo tão maravilhoso. O tempo voa, nestas circunstancias voa, mesmo que lhe viremos a cara e nos ponhamos de costas, ele passa, passa-nos pelo meio dos dedos de uma tal forma que oh, não  o conseguimos nem amarrar. Mas não vás, continua a ler-me devagarinho e a olhar-me desse teu jeito fenomenal, não vás e vai-me deixando pedacinhos de amor pelo ar. Deixa-me perder-me em ti, perder-me na tua alma e no teu corpo. Deixa-me sentir-te e deixa-me ler-te também, ler-te cada pedacinho tão lentamente. Um beijo de boa noite nessa testa doce, meu amor.
not even for a second would I lie to myself. too many things are missing and there's a tear in my eye. it's not a question or an answer, but it will change your mind. we'll be the same tomorrow, we're dancin' as we borrow and sing a song for sorrow