mercredi 29 décembre 2010




Sei que sou um ser muito estranho. Um ser muito difícil de entender, por vezes penso ser até o mais difícil, pois raramente fico feliz com algo, ou algo me consegue deixar feliz. Mas tu sabes lidar com o meu ser, e sabes como o fazer feliz, apenas só tu sabes e até aos das de hoje mais ninguém conseguiu e duvido que consiga. Porque tu tens os poderes que ninguém tem, para mexer comigo. Tens um feitio difícil de lidar, muito difícil até, e eu também sei como lidar com ele, apenas nunca lido da forma certa, pois não é assim como quero, e ao fim deste tempo, já devia ter aprendido muitas mais coisas. Já devia ter aprendido a lidar com este tipo de situações, já devia ter aprendido a lidar com os ciúmes, com os meus medos, e com o que me rodeia, porque és meu. Eu sei que és, mas nada proíbe, que sejas de algo que te rodeia. E isso faz-me ser uma pessoa tão má, tão egoísta, tão fria. E sim, eu sei que fui a pessoa mais egoísta do mundo, e mereço isto, mas só ao ser egoísta e te meter entre a espada e a parede, percebes-te o que me estavas a fazer, e mesmo assim nem te este muito bem conta da situação. Pois a tua cabeça quente está à mesma temperatura que o sol, e agora o que faço? Rendo-me a falar com o meu blog, é mesmo triste. É mesmo triste, quando algo que me podia deixar feliz, me deixou desfeita, é mesmo triste saber que te fiz sofrer, é mesmo triste saber que preferias o meu sofrimento, primeiro foste tu a pensar em ti, depois fui eu a pensar em mim, e sabes porquê? Ao fim destes meses todos, não dava mais, estava saturada, de levar com este peso nas costas, de fazer de conta que nada me afectava e ir abaixo sem ninguém se aperceber, e quando falava, ainda nem razão tinha, mas para mim eu tinha toda a razão do mundo, porque eu sei por o que passei, o que sofri. Nunca fui uma pessoa de pensar muito em mim, sempre pensei primeiro nos outros, fiz isso sempre contigo, e por mais incrível que pareça fiz isto a pensar em nós. Não me posso render mais ao choro, não, isso tem sido meses, meses de ignorância que dei às coisas, meses de dor que fiz de conta que não existia, meses de dor por não te ter, medo de cada passo que dava sair em falso, e ficar a perder. Ver e engolir em seco, ver e não falar, ver e suportar, ver e chorar as escondidas, chega, chegou ao limite, ao limite que não dá mais. Cometi o erro 1 vez, estava disposta a fazê-lo uma 2 vez por ti, sabes? E quem erra, e erra é realmente muito burro. E eu não é por ser burra, é por te amar tanto, e saber que aguentava por nós, tudo de novo, mas não, desculpa, não quero mais isso, foi devastador. Eu amo-te tanto…


Aucun commentaire:

Enregistrer un commentaire

not even for a second would I lie to myself. too many things are missing and there's a tear in my eye. it's not a question or an answer, but it will change your mind. we'll be the same tomorrow, we're dancin' as we borrow and sing a song for sorrow